Home office aumenta problemas físicos e mentais; mulheres e pais com crianças pequenas são os mais afetados

Frederico Cursino, da Agência Einstein  – publicado por Isto É.

Solução adotada a fórceps pelas empresas durante os meses de isolamento social, o home office vai se consolidando como algo definitivo em muitos setores, e deverá se tornar uma das principais heranças da pandemia para o futuro do trabalho. Mas um estudo norte-americano mostra que ainda há muito a se desenvolver para que o sistema casa-escritório seja sustentável no longo prazo, ao menos do ponto de vista da saúde e do bem-estar.

A pesquisa conduzida pela Universidade do Sul da Califórnia (USC, sigla em inglês) constatou que a maioria das pessoas que migrou para o home office durante a pandemia teve problemas de saúde devido à mudança. Cerca de 64% tiveram problemas físicos, e 75%, mentais.

Para o estudo, foram analisadas cerca de 1 mil pessoas, que, entre o fim de abril e início de junho, responderam a uma série de questionários referentes ao impacto do home office no bem-estar físico e mental.

Os resultados, publicados no Journal of Occupational and Environmental Medicine, mostraram que as jornadas aumentaram cerca de 1,5 hora por dia. A maior parte dos trabalhadores diminuiu a sua satisfação com o emprego e relatou aumento de dores físicas, especialmente no pescoço, depois que passou a trabalhar de casa. Os principais afetados foram mulheres e pais de crianças pequenas, mais propensos a incidentes de depressão, problemas físicos e mentais quando trabalham em casa.

“Não surpreendem [os resultados]. O home office aumentou ainda mais a obrigação da ‘dupla jornada’ para as mulheres, que ficaram com a conta das tarefas domésticas e do cuidado das crianças, também em casa devido à pandemia”, observa o psicólogo Leonardo Morelli.

PESQUISA DO SINJUSC| O seu ritmo de trabalho ficou mais acelerado no home office?

Diretor do Instituto Milton H. Erickison do Vale do Aço e atuando há quase três décadas com terapias familiares, Morelli entende que, como todo processo de adaptação, é normal que a mudança do escritório para casa tenha aumentado o estresse das pessoas. Porém, ele afirma que muitas famílias não conseguiram lidar bem com esse momento: maridos não deram o apoio devido na divisão das tarefas, casais tiveram dificuldade em comunicar os seus problemas, e a carga do trabalho remoto acabou sendo mais pesada para aqueles com crianças em casa:

“É comum relatos de famílias que viviam em conflitos, mas a dinâmica da ida ao trabalho, os filhos na escola, isso ajudava a amenizar os problemas. Quando isso foi quebrado, e todos se viram de repente dentro da mesma casa, os conflitos voltaram com mais força. E isso também refletiu nos filhos, que presenciaram muitos casos de agressões. Nos últimos meses, tenho atendido crianças com síndrome do pânico, algo que não tinha visto até então”, conta o psicólogo.

De acordo com o estudo norte-americano, famílias que souberam conciliar a divisão do espaço tiveram um melhor bem-estar físico e mental que os trabalhadores remotos sem filhos. Para ler a matéria completa, clique AQUI.

Faça parte desse momento histórico e participe da Pesquisa de Saúde do SINJUSC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *