SINJUSC e OAB/SC debatem sobre a volta ao trabalho presencial

Nesta segunda-feira (31/08), a diretoria do SINJUSC reuniu-se virtualmente com o presidente da OAB/SC, Rafael de Assis Horn, para debater o retorno dos trabalhos presenciais dos servidores do TJSC. Este assunto é amplamente defendido pela OAB catarinense. O sindicato, por sua vez, busca sempre dialogar.

Os diretores do SINJUSC ressaltaram o compromisso dos servidores do TJSC com suas atividades e com a qualidade do atendimento prestado à população. Pontuaram, ainda, sobre os altos números de produtividade atingidos nos últimos meses.

Defenderam que a maior preocupação do sindicato é garantir condições sanitárias que permitam a manutenção da saúde dos trabalhadores e também dos jurisdicionados.

Quanto às demandas represadas, os diretores argumentaram que, para além da organização do home office, aconteceu nos últimos meses um grande número de aposentadorias, que foram precipitadas pela ameaça da reforma da previdência – também pela própria pandemia. Atualmente há mais de 500 vagas em aberto no quadro de trabalhadores – o que implica diretamente no cumprimento das atividades nas diferentes funções.

Na ocasião, também se discutiu sobre as alterações nas contadorias, com a criação da Gerência de Custas e Cálculos Judiciais (GECUSTAS). Isso poderá afetar a organização do trabalho com o aumento da demanda (uma vez que haverá diminuição do número de contadores) e com dificuldade de comunicação, posto que os trabalhadores poderão atuar em muitas comarcas diferentes.

Por fim, foram pontuadas as novas tecnologias de gestão e organização do trabalho, em especial a utilização de inteligência artificial no meio jurídico – que vem se tornando cada vez mais comum mostrando-se como tendência. 

Na reunião, o SINJUSC ponderou a necessidade de diálogo e a construção de alternativas viáveis aos jurisdicionados e aos trabalhadores. Os diretores registraram seu compromisso com a defesa do serviço público e com o estado democrático de direito – linha igualmente adotada pela OAB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *