Servidores solicitam “suspensão do confisco” na Alesc e no MPSC

Na quinta (02/12), 14 entidades sindicais protocolaram ofício no Ministério Público de Santa Catarina, aos cuidados do Procurador Geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, solicitando a “suspensão do confisco” causado pela reforma da previdência nos salários de servidores aposentados e pensionistas.

O ofício traz o entendimento de que a ampliação da incidência do desconto de 14% ocasionado pela reforma gera redução de proventos e é, portanto, inconstitucional. O mesmo documento foi entregue ao presidente da Alesc, deputado Mauro de Nadal, na quarta (01/12) ao final do ato “Cancela o Confisco”.

A tática dos trabalhadores consiste em seguir fazendo atos públicos para pressionar politicamente o governo Moisés, o legislativo estadual e o MPSC, mas também em atuar por meio de ações judiciais, a exemplo do que já foi feito pelo SINJUSC.

De acordo com o presidente do SINJUSC, Neto Puerta, o aumento sobre o valor nominal imposto pela reforma chega a ser de mais de 300%, “é um verdadeiro confisco”, o governador Moisés confisca salário todo mês das pessoas que desenvolveram uma vida inteira nas suas repartições, nos seus locais de trabalho”.

9 Comentários

  1. Uma vergonha que depois de contribuir por mais de 30 anos ainda nos seja confiscado 14% do miséria que recebemos .

  2. O que sta acontrcendo e um vetdadeiro Assalto nos vencimentos dos Servidorrs
    Vc trabalha o tempp necessario para se aposetar ( EU 32 anos) ai vem um Governador compra a maioria dos Depitados aprovam uma Lei e Deu no que se ve agora
    Vetgonhoso
    Tomar que os Sindicatos juntos com.o MP possam reverter esse problema
    Boa Sorte Amigps
    Bom dia

  3. Ficamos sem reajustamento de salários por 6 anos e o que o governo oferece é o aumento dos descontos. Os nossos deputados merecem um prêmio pelo grande ato de cidadania que fizeram. Vamos todos, em massa votar neles.

  4. Nunca pensei que iria pagar pro governo depois de me dedicar 44 anos da vida trabalhando. Esperava no mínimo respeito.

  5. Não existe tática, existe uma realidade que o governo ignora. Nós, da Educação , estamos há muitos anos sem receber reajustes de salários, tivemos o governos passados que retiraram direitos adquiridos e esse último que destruiu nosso Plano de Carreira e também retirou direitos. Agora, para fechar o ano de deveria ser festivo, nos empurrou mais um desconto o qual já pagamos e ainda o intitulou de contribuição.
    A tática quem usou foi o próprio governo que, primeiro impôs esse confisco, depois vem com o discurso de descompactação da tabela com reajustes de 20%. Quem sai perdendo e ganhando com isso?????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *