Sem suspender trabalho presencial, TJSC arrisca vidas

Taxa de ocupação de leitos de UTI da rede pública por região catarinense: Foto: Reprodução/SES Leitos

Semana após semana, Santa Catarina apresenta indicadores elevadíssimos de contaminação e óbitos por causa do coronavírus. A ocupação dos leitos SUS chegou a 86% neste domingo (29/11). E mesmo assim, o Tribunal segue com a postura de repassar uma responsabilidade que é sua aos servidores, mesmo sem dar as devidas condições.

Há colegas contaminados internados em hospitais do Estado, trabalhadores exercendo suas atividades mesmo doentes, além de arcar com todas as despesas decorrentes do home office, mas a administração do Tribunal se limita a pedir “atenção e cuidado” em sua última e recente manifestação.

O novo mapa de risco de contágio para covid-19 ilustra o agravamento do contágio em quase todo o estado: 13 das 16 regiões encontram-se em risco gravíssimo, a pior classificação. A taxa que mede o risco de transmissão (Taxa RT) está em 1,27, ou seja, cada 100 pessoas que contraem o vírus o transmitem para outras 127.

Além da Justiça Federal, a Administração do TRT-SC também suspendeu o trabalho presencial e semipresencial em todas as 30 jurisdições pela segunda vez, desde o início da pandemia. O Tribunal deveria seguir o exemplo e colocar a equipe, que deveria “monitorar” a situação no Estado, para trabalhar e reorganizar o trabalho de forma remota.

Sem foco no coronavírus por meses, Santa Catarina colhe o que plantou

Surto nos presídios
A situação também é preocupante no sistema prisional. Segundo Boletim do Estado, foram confirmados até agora 2.774 casos de Covid-19, entre internos, funcionários, servidores e adolescentes do departamento socioeducativo. A confirmação entre os detentos corresponde a 70% deste total. Até agora quatro mortes foram confirmadas, três presos e um servidor. Segundo o último boletim semanal de unidades da SAP, o Presídio de Itajaí é o que apresenta a maior quantidade de casos confirmados entre os presos do Estado, foram 507 no total.

Surto de coronavírus é confirmado em presídio no Sul de Santa Catarina

Para o pesquisador, Lauro Mattei, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que monitora semanalmente a pandemia no Estado, é necessário que as autoridades governamentais do estado de Santa Catarina adotem medidas mais drásticas para cortar o atual surto epidêmico visando evitar sua propagação indefinidamente, bem como uma elevação do número de óbitos. “Já em relação à população em geral, reforçamos novamente que ainda não é hora de relaxar com as medidas de prevenção da doença porque o novo coronavírus continua circulando fortemente no estado. Neste sentido, manter os cuidados higiênicos básicos, usar máscaras e evitar aglomerações continuam sendo fundamentais neste momento’, alerta.

Em SC, Covid-19 já é principal causa de mortes em 2020, diz especialista

Monitoramento
Junto com as Comissões de Saúde e seus representantes de base, que formamos até novembro, seguimos monitorando a situação nas comarcas e pedimos aos colegas que informem ao Sindicato casos positivos na categoria, sobretudo dos que estão no presencial. Nosso telefone para contato é o Conecte SINJUSC (48) 9 9642-6874. SOMENTE MENSAGEM!

Um comentário

  1. Essa situação é uma vergonha, mas como não atinge juízes e seus assessores nada é feito. Na minha comarca somente os servidores de cartório foram OBRIGADOS a voltar ao trabalho presencial e se expor ao risco de serem contaminados. Enquanto isso, quem trabalha no gabinete está em casa e segue com a saúde blindada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *