Reunião com TJ trata sobre reposição salarial após mudanças na previdência

Um dia após a aprovação da reforma da previdência, na quinta-feira (05/08), a Direção do SINJUSC imediatamente se reuniu com a Administração do Tribunal de Justiça (TJSC) para dialogar sobre formas de minimizar os impactos do confisco salarial, sobretudo para aos aposentados que foram taxados em mais de 300%.

A pauta da categoria foi reforçada e insistido na importância e urgente necessidade compensação devido as perdas salariais.

Posto o atual cenário de desmonte do serviço público e consequente corte de direitos, a luta atual é, infelizmente, para tentar manter ou minimamente recuperar o que está sendo tirado por governantes declarados inimigos do serviço público.

Um estudo do Dieese publicado pela Folha de São Paulo mostrou que “70% dos acordos não conseguem repor a inflação e salários encolheram”. Isso trazendo somente dados dos trabalhadores que ganharam a data-base, após negociações finalizadas entre janeiro e fevereiro deste ano.  

No caso dos servidores que seguem em negociação, como os do judiciário catarinense, o poder de compra é ainda mais corrosivo, já que a pauta da data-base 2021 está sobrestada por causa de recomendação do TCE. Enquanto isso, o salário não acompanha a escalada dos índices de inflação.

A matéria é enfática e sublinha o que este sindicato trata com a administração do Tribunal: “sem a reposição da inflação, o salário encolhe, uma vez que a alta dos de preços de produtos importantes para o orçamento das famílias, como alimentos, gasolina, energia elétrica e transportes, subiu. O trabalhador está ganhando menos e precisando gastar mais com as mesmas despesas”.

Não apenas a pauta da data-base é defendida, mas as outras demandas importantes: restruturação da carreira e equiparação do auxílio médico-social. Novas reuniões estão sendo articuladas.

Assembleia Geral

Um nova Assembleia Geral está sendo organizada, com previsão para o dia 26 de agosto. O edital completo com todas as informações será postado em breve. Fiquem atentos!

7 Comentários

  1. os aposentados foram terrivelmente atacados e os mais prejudicados…visto serem os mais frágeis….urge medidas para compensar essa indecência…….

  2. Parece-me que o sinjusc parou de se preocuoar com política partidária e finalmente está lutando pelo servidor. Parabéns!!!

  3. Com respeito aos pensamentos contrários, focar em algo diverso da recomposição das perdas salarias + aumento real vejo como desperdiçar a sensibilidade da administração, diante do que foi imposto aos servidores civis pelo executivo, para algo concreto e com reflexo no cálculo das aposentadorias, qual seja, reconhecimento pecuniário de nossas atividades. Vejo ainda que a comparação dos nossos vencimentos com aqueles aplicados por categorias irmãs, como MPESC, TJ´s de outros Estados e, porque não dizer, pela nossa própria Polícia Militar, é um argumento fortíssimo a ser enfatizado para a Administração do TJSC no sentido de se demonstrar que há discrepância gritante entre nossos resultados funcionais e o atual reconhecimento financeiro, situação esta da qual a desmotivação é o resultado lógico. Talvez estejamos diante do melhor momento para se negociar um verdadeiro PCS! Para refexão.

  4. Nossa situação é cada vez mais delicada! Nossos salários encolhem e os gastos aumentam. Se tivéssemos ao menos esse percentual da data base de 2021, mas nem isso!
    É triste, revoltante. Tomara que a Administração do TJSC reveja a situação dos servidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *