Para Guedes, alto escalão do funcionalismo merece aumento e nós, granada no bolso

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Você servidor do judiciário catarinense pode somar na luta contra a reforma administrativa votando contra a proposta no site da Câmara dos Deputados. Clique aqui e faça a sua parte: Votem No Discordo Totalmente, também é possível deixar comentários. Diga Não ao Desmonte Do Estado Brasileiro. Até o fechamento desta matéria, 93% (163.103 mil) pessoas votaram contra a proposta.

Em cima de muitas mentiras, o ministro Paulo Guedes (não custa sempre lembrar que esse senhor nos chamou de parasitas) diz que a reforma precisa ser feita porque o Estado custa muito caro, que há muitos servidores, que o país está quebrado e afins. No entanto, essa reforma não toca na casta do funcionalismo, dos que ganham o teto, que é de R$ 39 mil, fora as diversas benesses que furam o teto. Inclusive, esse mesmo senhor que colocou granada no nosso bolso congelando nosso salário por dois anos, disse em vídeo que o salário de R$ 39 mil no alto escalão é muito baixo, mas que aumentar o salário mínimo seria condenar as pessoas ao desemprego.

Todas as [falsas] argumentações usadas para defender a reforma são refutáveis:

Estado custa muito caro: Mentira. Leia aqui.

Brasil tem muitos servidores. Mentira. Leia aqui.

Reforma vai combater privilégios. Mentira. Leia aqui.

Reforma vai modernizar o Estado. Mentira. Leia aqui.

INFORME-SE E DIVULGUE|

Conforme o Dieese, bem diferente do discurso da mídia e do governo, o número de servidores públicos em relação à população brasileira está abaixo do verificado em muitos países desenvolvidos. E em relação aos rendimentos, a maior parte dos funcionários públicos (57%) tem rendimentos concentrados na faixa de até 4 salários mínimos, ou seja, de R$ 3.816,00 (dados de 2018). No serviço público municipal, o percentual dos que auferem este rendimento corresponde a 73%, faixa na qual estão concentrados 56% dos servidores estatutários do Brasil (RAIS, 2018).

O governo utiliza a premissa de que é preciso realizar a reforma administrativa para o Brasil crescer. A alegação foi a mesma com a Emenda Constitucional 95 (congelamento salarial), com as reformas trabalhista e da previdência. Como é visto e sentido pelo povo brasileiro, nenhuma dessas medidas teve qualquer força para impulsionar o crescimento do país.

Conforme também já reportamos, a reforma administrativa é apenas uma das várias medidas de ataque ao Estado e ao servidores públicos. Tem o Plano Mais Brasil, que entre outras retiradas, prevê corte de 25% da jornada de trabalho e nos saláriosproibição de concursos e vedação a reajustes e promoções quando os entes atingirem os gatilhos fiscais, a princípio, quando a despesa corrente exceder 95% da receita corrente.

Por isso, é fundamental e urgente nossa união e posicionamento. Para além da luta virtual de ataque à reforma e posicionamento contrário, estamos em diálogo com outras entidades federais, estaduais e municipais para articular estratégias, mas precisamos do apoio e mobilização da categoria.

Se a reformar passar, nossos atuais Direitos serão também atingidos. Não se engane! Lute contra!

7 Comentários

  1. Ponto negativo: fim do regime jurídico único, o que se afigura inconstitucional, pois atinge cláusula garantidora da continuidade da denominada de coisa (res) pública, para que o Estado não venha a sucumbir diante dos poderes de turno. Preferencialmente, o regime jurídico deve continuar a ser o estatutário, mantida a estabilidade, com a perspectiva de estender as suas prerrogativas aos trabalhadores da iniciativa privada.

    • Prezado, o Executivo e Congresso não tem qualquer preocupação com a constitucionalidade das normas, muito menos o “Guardião” da Constituição. A saída, há muito tempo, deixou de ser jurídica e institucional. Quem manda é o capital. Se quisermos mudar esse tipo de coisa será importante mandar o recado ao capital de que os trabalhadores, que são os verdadeiros produtores da riqueza, entrarão em GREVE. Não é mais possível ver tanto sofrimento no povo brasileiro. É hora de combate!

  2. Não são os servidores que oneram o Estado Brasileiro, tampouco, os direitos sociais ou os auxílios, bolsas e ações afirmativas. Quem onera o Estado Brasileiro é o “Sistema da Dívida”. Para entender o que é esse sistema e saber quem são os reais parasitas e destruidores do Brasil acesse o sítio da Auditoria Cidadã em https://auditoriacidada.org.br/. Outro detalhe, é muito importante discutir com os trabalhadores GREVE, sobretudo, a GERAL.

  3. É uma piada essa reforma trabalhista! Uma reforma que só atingirá os mais fracos, onde as classes mais altas e com mais penduricalhos ficarão de fora! Será que não é possível entrar com Ação de Inconstitucionalidade já no projeto de lei alegando, entre outras coisas, falta de isonomia nessa reforma? E também entrar um processo de crime de responsabilidade contra o presidente e sua equipe por conceder aumento aos militares em época de crise. Esse aumento dos militares pode ser concedido diretamente pelo Presidente sem passar pelo Congresso? E houve geração de receitas para cobrir esse aumento? E algumas categorias de policiais que se aposentarão integralmente, houve novas receitas que serão pagas pela própria categoria para cobrir isso no futuro?

  4. É uma piada essa reforma administrativa! Uma reforma que só atingirá os mais fracos, onde as classes mais altas e com mais penduricalhos ficarão de fora! Será que não é possível entrar com Ação de Inconstitucionalidade já no projeto de lei alegando, entre outras coisas, falta de isonomia nessa reforma? E também entrar um processo de crime de responsabilidade contra o presidente e sua equipe por conceder aumento aos militares em época de crise. Esse aumento dos militares pode ser concedido diretamente pelo Presidente sem passar pelo Congresso? E houve geração de receitas para cobrir esse aumento? E algumas categorias de policiais que se aposentarão integralmente, houve novas receitas que serão pagas pela própria categoria para cobrir isso no futuro?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *