Avanço nas negociações da data-base para janeiro de 2022

Foto: Arquivo Sinjusc

As contínuas mobilizações da categoria e o empenho da direção do SINJUSC, que realiza reuniões quase semanais, fez o Tribunal reconhecer o direito dos servidores à data-base. A ideia é que o pagamento seja efetuado em janeiro de 2022, quando a LC 173/20 perde a validade.

Além da data-base, que de acordo com TJSC terá o cálculo do reajuste inflacionário estendido até dezembro de 2021 e não apenas até maio, os auxílios alimentação, médico-social e creche também serão recompostos.

AUXÍLIO MÉDICO-SOCIAL, QUEBRA DO LIMITAR E INDENIZAÇÃO DO PLANTÃO |

Após superar esta etapa inicial, o SINJUSC, em defesa dos aposentados, segue em negociação para equiparar o auxílio médico-social ao auxílio-alimentação ou mesmo a criação de nova rubrica que seja capaz de compensar o aumento da contribuição previdenciária. Esse item da pauta segue em estudo.

O Sindicato defendeu o quanto é oportuno avançar no debate sobre a reestruturação da carreira, sobretudo porque os servidores terão perdas consideráveis com as novas regras da previdência e corte da VPNI. A quebra do limitador, indenização do home office e os pagamentos dos plantões podem fazer parte de um processo de transição dessas mudanças na carreira.

VIGÍLIA ATÉ O PAGAMENTO |

A Luta pela data-base não para até que os servidores recebam a recomposição em folha de pagamento. Até lá, o SINJUSC segue em vigília e convoca os servidores a somarem na campanha.

OUTRAS PAUTAS PENDENTES |

As reinvindicações da data-base e reposição dos auxílios alimentação, creche e médico-social avançaram, mas há outras pautas pendentes que seguem em negociação:

  • Reposição inflacionária dos de 9,16% do Auxílio Saúde, correspondente ao IPCA de abril de 2019 e março de 2021;
  • Equiparação do auxílio-médico social ao auxílio alimentação;
  • Pagamento regular, no momento em que o direito é constituído, das promoções por desempenho e aperfeiçoamento;
  •  Instituição de auxílio home-office para cobrir as despesas do trabalho realizado em casa, cujos custos passaram a ser dos servidores;
  • Consolidação de uma política salarial com ganho real de 2%, atingindo a todos os servidores, abandonando-se a atual estratégia de compra de férias e licenças-prêmios;
  • Reconhecimento do percentual da URV e seu respectivo passivo a partir da ação rescisória 5003171-70.2019.8.24.0000;
  • Implementação de remuneração do plantão judicial, a partir de uma gratificação transitória, nos moldes do Tribunal de Justiça do Paraná;
  • Implementação da quebra-do-limitador, com a criação de uma nova referência (A a J) para cada grupo ocupacional com valores correspondentes a primeira referência (A a J) do grupo ocupacional que segue;
  • Retomada da contagem de tempo do triênio desde o momento do congelamento e com o pagamento dos valores retroativos correspondentes – remanescente Lei Complementar 173/20.

10 Comentários

  1. Meus parabéns. É mais do que justo. É um direito nosso. Vamos lutar pelos nossos direitos até eles reconhecerem.

  2. Acrescentaria ao último item, junto com o triênio, a licença prêmio, inclusive com as indenizações que foram pagas.

  3. Parabéns pela batalha constante. Muito orgulho de ser filiada a um sindicato tão combativo e coerente.

  4. Parabéns à guerreira Diretoria do SINJUSC, que vem lutando bravamente em pról dos servidores do Judiciário catarinense, bem como representando dignamente todos os trabalhadores do serviço público e da sociedade como um todo.
    Que Deus continue iluminando e dando forças na luta de uma sociedade mais justa, igualitária e fraterna.
    Abraços afetuosos.

  5. Quem não luta pelo que quer, tem que aceitar o que vier.
    Mesmo depois de Aposentados, devemos continuar na luta por nossos direitos.
    Ajude a Sindicato a nós ajudar.
    Se não for filiado, filie-se e participe das lutas.
    Que Deus abençoe e proteja a todos.
    Um grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *