Apagão define pressão sobre parlamentares contra a PEC 32

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Como encaminhamento final, o Apagão do Judiciário em SC definiu que é preciso ampliar a mobilização contra a Reforma Administrativa, que está em vias de ter relatório aprovado na CCJ da Câmara dos Deputados, por meio da pressão aos parlamentares.

Nesse sentido, o SINJUSC pede que todas e todos enviem mensagens de protesto ao Deputado Federal Darci de Matos, relator da Reforma Administrativa. Para enviar a mensagem padrão pelo WhatsApp clique AQUI. Se quiser também enviar por e-mail (dep.darcidematos@camara.leg.br) ou publicar nas redes sociais, o texto se encontra em itálico ao final desta matéria.

DIREÇÃO FAZ BALANÇO POSITIVO DO APAGÃO

A direção do SINJUSC fez uma avaliação muito positiva da paralisação do Apagão do Judiciário realizada na quinta-feira (13/09). As atividades virtuais contaram com a participação de mais de 200 pessoas de todas as regiões do estado. A presença simultânea na sala virtual variou entre 80 e 140 pessoas nos diferentes momentos da mobilização.

“Uma coisa que a gente tem notado não só no Apagão de quinta agora, mas na assembleia da semana anterior, são as caras novas. Além daqueles que já acompanham o sindicato, os nossos guerreiros e guerreiras de todas as horas, tem também muita gente nova se aproximando” – avaliou Neto Puerta, presidente do SINJUSC.

As atividades foram iniciadas com um estudo sobre a Reforma Administrativa (PEC 32) feito pelo SINJUSC, clique AQUI para baixar o documento. Depois do debate sobre a PEC 32, teve a exibição do curta-metragem “Dois Estranhos” seguida da discussão sobre racismo para marcar o 13 de maio. Na sequência foram apresentados e discutidos os últimos acontecimentos da campanha salarial (data-base).

Deputado Darci,
Sou servidor(a) do judiciário. Cumpro minhas funções com imparcialidade e sim, trabalho muito, mas muito. Embora necessário o debate da produtividade x gestão do adoecimento, trago um dado: os servidores dos Tribunais de Justiça do país seguem trabalhando muito, mesmo em meio às dificuldades e falta de suporte financeiro e tecnológico, mais ainda agora no período da pandemia. A justiça não parou um minuto sequer.
O que está destruindo o país não são os servidores, são os projetos que estão sendo apresentados, pois estes precarizam o serviço público ao acabar com a possibilidade de investimento, dificultam o acesso da população a serviços básicos como saúde, educação, justiça e segurança. Em meio a pandemia, cortar direitos dos servidores, o Sr. acha correto? Chega de ataques. Chega de desrespeito.
CHEGA DE MENTIRAS.
CHEGA DE DESCASO!

Um comentário

  1. Não tenho dúvida alguma, que as conquistas obtidas por nós, sempre exigiram empenho e muita luta. Deveremos estar atentos e manifestarmos contra reforma que venham contra os interesses dos servidores. Obrigado Sinjusc

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *